fala Caetano

""

Caetano Veloso

20Nov2013

Show #SomosTodosAmarildo

Um quadro na parede, uma família afetada pelo desaparecimento de um pai, um problema social que afeta o país e todas as nossas vidas. O projeto Somos Todos Amarildo nasce, antes de tudo, da vontade da sociedade civil de transformar a realidade dos desaparecidos no Brasil, especialmente aqueles que vivem em uma situação social limite.

O caso do pedreiro Amarildo, que mobilizou o país em um momento político bastante específico e especial, poderia ser apenas mais uma tragédia do cotidiano das favelas que se tornaria estatística. Mais um desaparecido sem nome e sem rosto. Porém, com o empenho de uma grande parcela da população e através de uma iniciativa pontual, o desaparecimento de Amarildo se tornou um exemplo de injustiça social que, combatida com a força da união, mesmo com a perda irremediável, serve de ponto de partida para a transformação. 

O projeto Somos Todos Amarildo começa com uma expressão artística, mais especificamente um quadro do cartunista Latuff. A obra, que retrata um homem negro sendo crucificado e morto por um policial, foi pendurada no gabinete do juiz João Batista Damasceno. O ato foi visto como uma ofensa a todos os policiais pelo deputado Bolsonaro, e a Presidência do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu de forma polêmica retirar o quadro. 

Diante disso, o desembargador Siro Darlan, amigo do juiz Damasceno, resolveu dar "abrigo artístico" à obra em seu gabinete, porém a Presidência do TJ também determinou a retirada. Os dois, então, entraram em contato com Pedro Lavigne, que diretamente os apresentou a Paula Lavigne, empresária de Caetano Veloso que estava imbuída na segunda iniciativa paralela, a de comprar uma casa para a família de Amarildo, juntamente com Marcelo Freixo, Presidente da Comissão de Direitos Humanos da ALERJ.

Unindo a necessidade com a boa vontade, ambos gestos terminaram por desembocar na primeira ação da campanha Somos Todos Amarildo, um jantar-leilão sediado na casa de Paula, no Rio de Janeiro. Neste evento, artistas e amigos se juntaram em nome da causa, doando o que dispunham, fossem obras de arte, letras de música, instrumentos musicais, objetos de valor, mas também espaço e tempo de suas vidas e dedicação. 

Com o valor levantado pelas entradas do evento, foi possível realizar o primeiro objetivo do projeto e a casa para a família de Amarildo foi comprada há cerca de duas semanas. O valor arrecadado no leilão das peças será direcionado à campanha através do IDDH, Instituto dos Defensores dos Direitos Humanos, para viabilizar um projeto completo que pretende traçar um perfil dos desaparecidos na região metropolitana do Rio de Janeiro, preservar a memória dos desaparecidos como forma de luta por uma segurança pública centrada na defesa da dignidade humana, bem como dar suporte jurídico e psicossocial aos familiares das vítimas. A iniciativa, inédita e importante para a realidade brasileira, terá uma conta específica veiculada para os aportes obtidos com a campanha. O IDDH se dispôs a contribuir com o projeto, emprestando sua estrutura e know-how para o mesmo. 

É importante ressaltar que desde o surgimento do caso Amarildo nas páginas dos jornais, muita coisa mudou. Desde então, as UPPs começaram a ser mais controladas, os policiais responsáveis pelo desaparecimento do pedreiro foram presos e o debate sobre a situação de pessoas vivendo sob a vigilância policial do Estado ganhou as páginas de jornais e rodas de conversa em todo o Brasil. O vídeo Somos Todos Amarildo, criado pela Uns Produções, foi a peça-símbolo de toda a batalha pela justiça neste caso (veja aqui: SOMOS TODOS AMARILDO) e o ponto de partida para que o problema do desaparecimento de pessoas, tão comum durante as ditaduras latino-americanas e atualmente recorrente em grandes e violentos centros urbanos, acabe. Os desaparecidos da democracia não podem mais existir. 

Assim, é neste clima de mobilização social séria e vitoriosa, que Caetano Veloso e Marisa Monte, ambos integrantes do projeto Somos Todos Amarildo, se encontram no palco do Circo Voador (que está presente na campanha desde o início e agora co-produzindo o evento em seu espaço) para a segunda ação da campanha, a ser realizada na quarta-feira, 20 de novembro, data que celebra o Dia da Consciência Negra, a partir das 20 horas. Toda a verba arrecadada através das entradas será destinada ao IDDH, juntamente com o montante do leilão. 

Durante o evento, 2000 máscaras de Amarildo serão distribuídas para, que em uma ação simbólica e coletiva, todos nós possamos nos tornar Amarildo juntos, em um mesmo coração e sentimento. Para os que tanto se perguntaram, como nós, onde estava o pedreiro Amarildo, a resposta hoje é: em nossas mentes, dentro de nossos pensamentos, em nossa memória, para que sigamos lembrando o absurdo que é a situação de desaparecidos neste caso. 

Vamos continuar ocupando as ruas e redes, de máscaras ou não, exercendo nossa alegria e nosso direito de querer viver em um país melhor. O próximo evento acontecerá no dia30 de Novembro, às 17h, no Arpoador, quando a praia será ocupada com arte e cidadania em um evento gratuito e coletivo em parceria com a galeria A Gentil Carioca. Os artistas: Celina Portela, Opavivará, Joana Cseko e Isabel Ferreira - Alexandre Vogler - Ronald Duarte - Guga Ferraz - Paulo Paes - Ernesto Neto - Luiz Eduardo Soares - Marcus Faustine - Laura Tavares.

Traga sua máscara do show, seus amigos e o coração aberto para mais um evento em memória de Amarildo e contra os desaparecimentos. Porque nos importamos. Porque somos todos brasileiros, somos todos Amarildo.

SHOW SOMOS TODOS AMARILDO

Caetano Veloso e Marisa Monte

Dia 20 de novembro, 20h

Circo Voador / Arcos da Lapa

Rio de Janeiro / RJ

R$ 60 (ingressos esgotados)

ALALAÔ SOMOS TODOS AMARILDO

A Gentil Carioca - Celina Portela - Opavivará - Joana Cseko e Isabel Ferreira - Alexandre Vogler - Ronald Duarte - Guga Ferraz - Paulo Paes - Ernesto Neto - Luiz Eduardo Soares - Marcus Faustine - Laura Tavares

Dia 30 de novembro, 17h

Praia do Arpoador / Ipanema

Rio de Janeiro / RJ

Evento gratuito e coletivo